segunda-feira, 21 de agosto de 2017

FC Porto - Moreirense: Fácil e Sem Grandes Correrias

Terceira jornada do campeonato, o regresso a casa. Depois de um jogo que colocou algumas dificuldades frente ao Tondela (que curiosamente perdeu esta jornada perante o Estoril) o Dragão recebeu em peso os seus jogadores com nova lotação esgotada.

O FC Porto bateu por 3 bolas a 0 a equipa de Moreira de Cónegos, num jogo que nem foi de "encher o olho" os portistas venceram tranquilamente, não sendo preciso jogar muito para vencer com facilidade.

Debaixo de um intenso calor, foi Aboubakar a brilhar, apontando todos os golos que derrotaram a equipa visitante. O jogo ficou marcado pela aparição no 11 titular de Maxi Pereira, que deixou a palpitar o coração daquelas que estranharam a ausência nos convocados de Ricardo Pereira. Espero encarecidamente que o motivo seja a "temperatura" com que acordou o português.

Os comandados de Sérgio Conceição partiram para uma primeira parte de bom nível onde não deram oportunidade ao Moreirense para respirar. Os primeiros 15 minutos são disso exemplo, onde os 84% de posse de bola e os quatro remates efetuados são bem esclarecedores acerca do domínio portista, ainda que com demasiada insistência em procurar cruzamentos para a área. Perante a ofensiva portista, foi com naturalidade que o FC Porto, aos 18 minutos, chegou à vantagem com um cabeceamento fulminante de Aboubakar. Com uma verdadeira movimentação à ponta-de-lança, o camaronês deixou pregado ao chão o seu marcador direto e correspondeu da melhor forma ao cruzamento de Alex Telles.


Estavam ainda alguns a sentarem-se nas suas cadeiras quando voltaram a saltar para festejar o golo portista, novamente apontado por Aboubakar, 3 minutos depois. O FC Porto dominava a seu belo proveito a equipa visitante que se limitava a ver jogar. Rápido e a não deixar sair o Moreirense para o ataque , a primeira parte do FC Porto fez-se quase sempre no meio-campo adversário. 

Neste sentido, foi com naturalidade que os azuis e brancos chegaram ao intervalo a vencer e a dominar em todos os capítulos do jogo, com Casillas a ser um mero espectador. O FC Porto contabilizava uns expressivos 75% de posse de bola e sete remates enquadrados, contra apenas um disparo à baliza por parte do adversário, segurado pelo guardião espanhol sem problema algum. A equipa de Sérgio Conceição aproveitava bem os espaços entre linhas, circulava a bola com critério e não concedia espaços ao seu opositor. Ainda que sem imprimir uma grande rotação fazia o que queria do seu jogo.

O segundo tempo não seguiu as pisadas do primeiro, e os Portistas regressaram dos balneários a jogar a um nível mais baixo e a gerir o seu jogo sem ter de se cansar muito, permitindo à equipa forasteira crescer na partida, não sendo, contudo, suficiente para incomodar o FC Porto, com Casillas a ter de fazer apenas duas intervenções de maior relevo. A equipa visitante teve 53% de posse de bola nos primeiros 15 minutos, período em que até fez mais passes do que os dragões (76-65).  Perante a pouca acutilância portista, Sérgio alterou as peças do seu xadrez que, mais do que fazer aumentar o rendimento dos seus pupilos, estancou por completo a audácia que foi permitindo ao adversário. 

A partir daí o FC Porto criou mais algumas oportunidades, com destaque para o terceiro golo de Aboubakar, apontando um hat-trick que o coloca no topo como um dos melhores marcadores do campeonato.

Destaques:

IN

Aboubakar - Dos três remates que enquadrou com a baliza, todos deram golo. Com um hat-trick o camaronês foi com naturalidade o homem do jogo. Aos três tentos, juntou ainda dois passes para finalização e venceu três dos seis duelos que disputou.

Alex Telles - Um jogo de mão cheia do lateral esquerdo brasileiro. Somou três passes para finalização, foi eficaz em seis dos seus 11 cruzamentos, falhou apenas três das suas 45 entregas, colocou a bola na área contrária 21 vezes e somou quatro desarmes.

Mar Azul - O primeiro jogo do campeonato ditou casa cheia, a deslocação a Tondela seguiu a tendência e no regresso nova enchente, com um ambiente incrível nas bancadas do Dragão. 

OUT

"Perder o gás" - O FC Porto do segundo tempo baixou consideravelmente o seu ritmo de jogo. Ainda que sem lhe ter causado problemas nunca gostamos quando vemos a nossa equipa cair exibicionalmente. A baixa de rendimento deveu-se sobretudo ao descansar à sombra de uma vantagem confortável à qual se juntava um adversário que não criava grande perigo.

Excessiva aposta nos cruzamentos - Se é verdade que o FC Porto apontou o primeiro golo em virtude de um cruzamento para a área, também não deixa de ser um facto aquela que considero ser a insistente necessidade em procurar as laterais para criar perigo. A espaços com o Tondela também se verificou e, ontem, nos primeiro minutos foi possível assistir ao mesmo. Podia ter-se aproveitado melhor o jogo interior e não canalizar com tanta frequência o futebol para o cruzamento.

Maxi - Ainda que tenha cumprido, já não oferece tudo o que é necessário. A velocidade já não é a mesma, a capacidade de reação idem. É um otímo suplente (ignorando o salário de titularíssimo que aufere) mas já não mais que isso.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Houve o Mimo Mesmo Sem Chocolate

Antes da partida de Tondela o presidente dos tondelenses tinha pedido “um mimo, um chocolate” aos seus jogadores. Pois bem, 90 minutos depois, o mimo veio para o FUTEBOL CLUBE DO PORTO em forma de três pontos. Guardando o “chocolate” para outra altura, o dragão não precisou de ser fantástico para ser melhor.

O FC PORTO apresentou-se em Tondela após a goleada do DRAGÃO e, num JOÃO CARDOSO de má memória, devido ao empate da época passada, o objetivo era simples: ganhar e somar mais um passo (positivo) na “preparação” de uma época que se vai adivinhando longa. Nessa perspetiva, SÉRGIO CONCEIÇÃO fez apenas uma alteração em relação ao jogo com o GD ESTORIL PRAIA, lançando moussa MAREGA para o lugar do lesionado “tiquinho” SOARES.

Com naturalidade, os azuis e brancos pegaram desde cedo nas despesas do encontro mesmo sem a intensidade habitual. PEPA, retirou PEDRO NUNO em relação ao último jogo e lançou BRUNO MONTEIRO para dar mais capacidade defensiva ao meio campo. Assim sendo, ÓLIVER torres foi alvo de uma pressão especial, que fez com que a ligação com o ataque, entregue a MAREGA e vincent ABOUBAKAR, fosse feita através dos extremos yacine BRAHIMI e jesús CORONA, com a subida dos respetivos laterais, alex TELLES e RICARDO pereira.

E é precisamente num momento em que o FC PORTO estava por cima, apesar de um TONDELA bem posicionado em campo, que na sequência dum remate de TELLES, ABOUBAKAR aproveitou para dar colorido ao marcador, um golo que apesar de regularíssimo teve honras de ser confirmado pelo vídeo-árbitro. Estava desbloqueado o jogo e consomada a estreia do camaronês a marcar na LIGA NOS.


No segundo tempo o FC PORTO continuou a controlar a partida em busca do golo que pudesse dar a tranquilidade, no entanto, ora por mérito da defesa equipa da casa, ora pela ineficácia do ataque azul e branco (ABOUBAAR ainda acertou no poste) a vantagem mínima e a esperança da equipa de PEPA persistiam, chamando para o jogo o FC PORTO de combate. CONCEIÇÃO retirou um cada vez mais recuado ÓLIVER e colocou héctor HERRERA mas, mesmo assim, numa fase em que o TONDELA procurava com mais insistência a área de iker CASILLAS, teve que recorrer a ANDRÉ ANDRÉ e miguel LAYÚN (em trocas por “ABOUBA” e CORONA) para segurar os três pontos.

Ao segundo jogo, o FC PORTO mostrou uma outra face igualmente eficaz e segue como se previa, com 6 pontos e sem golos sofridos. Mesmo sem ser brilhante fomos de longe melhores que o TONDELA e, olhando pelo retrovisor para a época passada, esse facto já me deixa com outra cara. Domingo, é dia de DRAGÃO e, na receção ao MOREIRENSE FC, só peço que o FC PORTO nos presenteie com mais um mimo. Se possível, com chocolate.


Destaques:

IN

Ricardo Pereira/Corona - Dos pés do português e do mexicano apareceram inúmeros lances de perigo no ataque azul e branco. Encantam, desequilibram e parece que se conhecem há anos.

Oliver - O novo técnico já mostrou que o próximo passo são os golos. No entanto, se for jogando como tem jogado (em alguns momentos) já não me importo. Imporessionante com bola, incansável sem ela.

Baliza fechada - Mero dado estatístico mas injetor de confiança e prova do trabalho que vem sendo realizado.

"Onda Azul" - Impressionante o azul que se viu em território dos “vermelhos” presidente e técnico tondelenses.


OUT

Marega - Esforçada mas algo inconsequente a exibição do maliano.

Soluções - SOARES está lesionado mas, olhando para o banco, darão as soluções, principalmente atacantes, garantias? Fica a questão.

Vídeo-árbitro - Só serve e alguns estádios e para alguns clubes. Pedir a tecnologia para validar o golo de ABOUBAKAR é, no mínimo, ridículo.

por Fábio Daniel Ferreira

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Entrada Com o Pé Direito (de Marega)

Depois de muita espera e ansiedade em ver a bola rolar no Dragão eis que chegou o dia, e bem que podemos dizer que a espera compensou. FC Porto 4 - 0 Estoril, resultado limpinho apimentado com uma exibição de nível que não defraudou as expectativas daqueles que acorreram ao estádio e formaram uma verdadeira onda azul.


O FC Porto promovia este desafio sob o lema "entrar com o pé direito", e foi isso mesmo que aconteceu, com Moussa Marega em grande plano.


Foi um estádio cheio, entusiasmado e carregadinho de esperança aquele que recebeu a equipa portista no pontapé de saída para o Campeonato 2017/18, que foi muito bem presenteado pelos artistas que subiram ao palco do Dragão.

A pré-época do FC Porto, salvo algumas excepções, criou nos adeptos uma enorme expectativa para este início de campeonato, e os comandados por Sérgio Conceição não fizeram por menos e começaram esta caminhada dando continuidade aos bons indicadores a que podemos assistir ao longo desta pré-temporada.

Foram 4 mas podiam perfeitamente ter sido mais, contra uma equipa que, na época passada, sob o comando do nosso conhecido Pedro Emanuel perdeu apenas 2 jogos. Era, portanto, um adversário que se esperava capaz de causar dificuldades ao FC Porto, um Estoril bem organizado apostado em apanhar os portistas em contrapé. Mas não foi isso que aconteceu, e muito graças à exibição dos azuis e brancos, que tornaram fácil uma equipa que poderia ser complicada.


A primeira parte foi pautada pela verticalidade da equipa portista. Rápida a subir no terreno, sempre a procurar um futebol apoiado, a colocar muitos em zona de finalização e, como já nos começamos a habituar, rápidos na reação à perda da bola. Era, por isso, com água na boca que se ia assistindo ao desenrolar dos primeiros 45 minutos que, aliás, deram tempo para ver serem invalidados 2 golos e desperdiçadas várias oportunidades, com Aboubakar à cabeça. Soares, que alinhou de início ao lado do camaronês, esteve em dúvida, mas Sérgio lançou-o a jogo. Viria a sair lesionado para dar lugar àquele que foi o MVP deste encontro. Quando vi Soares sair, pensei: "lá vai o Marega". E ele foi mesmo, e foi com a força toda e não só me calou uma, como duas vezes. Grande Marega!

O ponta de lança do Mali foi o autor do primeiro, que levou os portistas a vencer por 1-0 para os balneários. Resultado algo escasso, mas o mais difícil estava feito: meter lá dentro o primeiro.

A segunda parte não começou da melhor forma e até ao segundo golo, foi o pior período da equipa, não tão rápida, a não aproveitar o jogo interior e a insistir demasiado nos corredores laterais com cruzamentos que não levavam a lado nenhum. Porém, o génio argelino pôs fim a esse curto período de cerca de 10 minutos e, aos 54, Brahimi fez o segundo, lançando os portistas para uma exibição que encheu o olho. Feito o segundo, o futebol praticado superou o do primeiro tempo, e os dragões davam poucas hipóteses à equipa da linha. De novo com um futebol rápido, com jogo interior, a bola passava por todos e os ataque surgiam ora pela esquerda, ora pela direita e com diferentes intervenientes. Entre mais uma série de golos cantados desperdiçados, houve espaço para mais dois. Marega, a faturar num cabeceamento pleno de oportunidade, aproveitando um cruzamento de Oliver Torres que pedia o golo. Mais tarde, foi a vez de Marcano, com o Vídeo-árbitro (VAR) a restabelecer a justiça que o fiscal de linha retirara.

O resultado final ditou 4 golos sem resposta, numa exibição de um FC Porto de prego a fundo, com um futebol alegre e contagiante que devolveu a alegria a um Dragão cansado de exibições cinzentas. Este é o caminho a seguir!

Destaques


IN

♕ Marega - O grande destaque vai, sem dúvida, para o avançado maliano. Moussa Marega surpreendeu-me, e de que maneira, com uma exibição muito bem conseguida. Ao seu poderio físico, que já conhecíamos, juntou-lhe velocidade, drible e uma afinação naqueles pés que me deixaram orgulhoso. Fez quatro remates, três deles enquadrados, um passe para ocasião flagrante e um drible eficaz numa tentativa. Por favor Marega, keep going!


Brahimi - O génio do argelino andou à solta no Dragão, fintou, criou oportunidades, assistiu e marcou. Em suma, Brahimi mostrou a sua qualidade e a importância que pode assumir nesta equipa. Tentou nove vezes o drible e teve sucesso em quatro, rematou duas vezes, uma delas enquadrada, fez dois passes para finalização e ganhou nove de 18 duelos.

Marcano - Como se tornou hábito na época passada, nova exibição de qualidade do espanhol que começou este campeonato dando continuidade às boas exibições do passado. Para além do golo registou ainda um passe para ocasião, acertou dez de 12 passes longos, ganhou quatro de seis duelos e fez seis alívios.


OUT

10 minutos iniciais do segundo tempo - Após uma exibição globalmente tão satisfatória, pode parecer um preciosismo destacar uns "míseros" 10 minutos, mas o que é facto é que foi o pior período desta equipa,  onde a clarividência não abundou. Felizmente que depressa tudo melhorou e FC Porto não deixou que passasse duns curtos 10 minutos.


Aboubakar - Mostrou a mesma força, disponibilidade e combatividade da pré-temporada, mas não a finalização. Abou tentou de todas as formas, mas não deu. Ele queria muito, e tenho a certeza que o estádio também, mas ontem não era para ele. OUT por isso.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O Plantel do FC Porto versão 2017/18

Depois da opinião acerca do FC Porto de Sérgio Conceição e os reforços que aterraram na invicta para a nova época, agora que terminou oficialmente a pré-temporada do FC Porto, é tempo aqui no blog, de um olhar sobre do plantel azul e branco para a nova época que aí vem.

Como ponto de partida, penso que seja de opinião comum que o atual FC Porto apresenta bem mais argumentos que aquele que iniciou a época transata. Acima de tudo, um FC Porto com mais e credíveis opções para os diferentes setores do terreno, a juntar ainda ao facto de alguns atletas que se revelaram mais apagados na época passada, parecerem dar mostras de crescimento no novo sistema implementado por Sérgio Conceição.

No que diz respeito aos setores, a defesa é aquele que mais se destaca, quer pela qualidade com que está servida, mas também pela quantidade de atletas. O meio-campo, à excepção da saída de Rúben Neves mantêm-se intacto e o ataque, pese embora a venda de André Silva, aumentou a sua qualidade com o regresso de Aboubakar. 

Em traços gerais é isto que se pode tecer do plantel que vai iniciar a conquista de um campeonato que já nos foge há demasiados anos. Porém, e pese embora este acrescento de qualidade, existem a meu ver, algumas lacunas que deveriam ser solucionadas até ao fecho do mercado, a 31 de Agosto.

Acima de tudo, vejo um plantel algo desequilibrado. Se na defesa as opções são de qualidade e abundam, no ataque, embora o veja mais forte, continua limitado em altern
ativas. Tal como aconteceu na época passada.

No setor mais recuado, atualmente, contam-se 10 atletas (excluindo os guarda-redes): 4 centrais e 6 laterais. Quanto a estes últimos, aqui certamente que haverão saídas, até porque é impensável ter no plantel 3 laterais para cada lado. Resta saber quem serão os preteridos. Diogo Dalot é o mais fácil de se lhe adivinhar o destino, com a equipa B como pano de fundo. Em relação aos restantes, o mesmo não se pode dizer. Contudo, e tendo em conta a sua pouca utilização esta pré-temporada, arrisco dizer que a Rafa Soares espera-lhe um novo empréstimo. 

Fazendo uma reflexão ao estilo "se eu mandasse", riscaria desta lista Maxi Pereira que, embora as suas qualidades notórias, tem na idade e, acima de tudo, no salário, dois grandes entraves. Ficaria Ricardo Pereira dono e senhor da lateral esquerda, aproveitando a polivalência de Layún para lhe dar a cobertura necessária. Do outro lado, Alex Telles e Rafa.

Quanto aos centrais, sou da opinião que o 4º central pode muito bem ser um jogador da equipa B, até porque, salvo raras excepções, é difícil e pouco recomendado fazer uma rotação entre quatro atletas para o eixo defensivo. Ora, por esta lógica, entre Reyes e Indi só haveria lugar para um. Como sou apenas um opinador, não sei se a visão do nosso mister é a mesma. Caso seja, teria dificuldade em escolher um dos 2, em caso contrário, Sérgio terá de ser exímio nos minutos de jogo que dará a ambos.

No meio-campo, pese embora gostasse de ver Rúben neste modelo de Sérgio Conceição (tendo em conta a exigência que pede aos dois homens do miolo na construção de jogo, seria agradável ver aqueles pezinhos de Rúben Neves a funcionar), penso que estamos bem servidos. André André tem-se mostrado a bom nível em terrenos mais recuados, esquecendo a sua expulsão em Guimarães, e Herrera, aos poucos, vai dando um ar da sua graça. Oliver é, porventura, o que mais cresceu neste sistema e tem Otávio e Sérgio Oliveira para ocuparem a sua posição. Este último com bons indicadores nesta pré-época e a surpreender-me bastante. João Carlos Teixeira parece-me estar a mais neste plantel.

Fica apenas a faltar o ataque. Ainda que em fase embrionário já está visto que com Soares e Abou temos dois monstros apontados às balizas adversárias, porém ainda não consigo ver em Marega uma alternativa credível. Expliquei o porquê aqui.
Relativamente aos extremos, temos outro problema. Corona e Brahimi serão à partida os donos das posições com Hernâni e Otávio como suplentes. Se com o argelino e o brasileiro para a esquerda podemos ficar tranquilos, o mesmo não diria em relação à asa direita da equipa. Corona é demasiado inconstante. Quando está num "dia sim" é capaz do melhor, mas passa demasiadas vezes ao lado do jogo. É daqueles que faz um bom jogo e dois maus. Ter um jogador destes como seu suplente Hernâni, não é a melhor opção. Até agora o português só se mostrou em bom plano contra o Portimonense e vê-lo contra o Gil Vicente foi desesperante. Não fez nada e perdia a bola quase sempre que a tinha. A Corona faltava-lhe alguém que lhe mordesse os calcanhares, que o obrigasse a não baixar a guarda sob pena de ser ultrapassado, mas Hernâni parece que já se contenta em sentar-se no banco de suplentes. Aliás, apostaria que "os jogadores" que falou SC no final do jogo, tinham Hernâni incluído, de tão mau que foi o seu jogo. 

Mais do que em relação a Marega, seria para o lado direito do ataque que reunia esforços para solucionar esta lacuna, mas não me parece que vá acontecer. Vejo Sérgio a aproveitar Ricardo para ocupar essa posição quando necessário, mas um extremo seria muito bem-vindo.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

"Quem Quer Ser Estúpido?" Com Luís F. Vieira

Se há uns anos a RTP tinha na sua grelha de programação o famoso "Quem Quer Ser Milionário?", Luís Filipe Vieira, sempre preocupado em colocar o seu clube na vanguarda, vai trazer para o canal BTV o "Quem Quer ser Estúpido?". 

Este programa vanguardista, que consiste em passar um atestado de estupidez a todos aqueles que nele ambicionam participar, terá Luís Filipe Vieira, perito em fazê-lo, como seu apresentador. Quem melhor para dirigir um concurso como este? 

Por forma a promover este espetáculo que em breve estreará, LFV passou hoje, 31 de Julho, um atestado de estupidez a todos aqueles que ouviram a sua conferência de imprensa dizendo:

Ora, das três, uma: ou o presidente do Benfica acredita mesmo que as pessoas são estúpidas; carece de uma gigantesca falta de vergonha, que lhe permite proferir afirmações como esta; ou é muito distraído. Sinceramente não sei qual das opções escolheria. Que tal usar a ajuda 50/50?

Pergunto: Mas haverá alguém que acredita no que disse o Vieira?

Diz o querido líder que nunca ouviu falar em claques, mas o mesmo não pode dizer Paulo Gonçalves, diretor jurídico do clube que este preside. Ora vejamos:

Clicar para aumentar. (Notícia na integra aqui.)
Só por aqui facilmente fica desmontada esta mentira que LFV veiculou perante as câmaras e microfones da comunicação social. Vieira deve ser mesmo distraído para nem se aperceber do que anda a dizer o seu diretor jurídico.

Mas a distração do presidente benfiquista não se fica por aqui. LFV é tão distraído que nem sabia que o estádio do seu clube dava guarida a um desses meramente "grupos organizados" de que fala. É que para os menos informados a sede de uma das claques...perdão, grupos, era dentro do estádio da luz, onde, inclusivamente, já foram feitas rusgas e encontrados alguns brinquedos nada inofensivos.
Clicar para aumentar. (Notícia na íntegra aqui.)
A própria notícia, não só comprova a distração de Vieira, como apanha outro diregente benfiquista a mentir, quando Paulo Gonçalves diz que: "Não apoiamos porque não cumprem os requisitos da Lei." Mas então!? Esqueçam, não vale a pena.

Como se não bastasse, outra dos "grupos organizados" apresenta-se na sua pagina de facebook como "grupo ultra de apoio ao Sport Lisboa e Benfica". 

Não é preciso andar muito por dentro do assunto para se perceber que um grupo ultra vai muito para além de um simples grupo organizado. Mero grupo organizado esse que tem direção e, pasme-se, sócios! Com o pedido de formalização a tal a estar disponível na sua rede social. Para os interessados em fazerem-se sócios aqui fica o comprovativo:

Perante tudo isto, até me escuso a ir buscar a notícia de há uns meses que dava conta do parecer da PSP em que fazia referencia ao apoio prestado pelo benfica aos seus "grupos organizados".

Neste sentido, e porque até sou boa pessoa, deixo uma dica ao presidente LFV: Primeiro-ministro, sabemos que é um visionário, mas ao contrário do que possa pensar, nem toda a gente come gelados com a testa. Lamento dizê-lo, mas o "Quem Quer Ser Estúpido?" não terá grande audiência.

domingo, 30 de julho de 2017

Os Reforços do FC Porto - Parte 2

Ontem, aqui na Muralha, foi publicada a primeira de duas partes de análise aos reforços que compõem o atual plantel azul e branco. Se na primeira parte foram analisados os primeiros cinco, hoje é tempo de nos debruçarmos sobre os restantes.
Em traços gerais é possível perceber que, atualmente, a defesa é porventura o setor que mais opções e de qualidade oferece, juntando os reforços aos que já integravam o plantel na época transata.

Vamos então olhar para os que faltam.

Mikel Agu

Resultado de imagem para mikel agu fc porto
Idade: 24 anos
Anterior clube: V. Setúbal
Nº de jogos: 34
Formado no FC Porto, destacou-se na equipa B em 2013/14 e fazia parte dos planos de Lopetegui na sua primeira época, porém, uma lesão grave na pré-temporada afastou-o do lugar no plantel que ambicionava dando lugar a Rúben Neves. Após a lesão, seguiu-se um empréstimo não muito bem sucedido ao Club Brugge onde apenas fez 2 jogos a titular. Só na época passada voltou a dar melhor conta de si no Vitória de Setúbal e regressou para substituir, curiosamente, Rúben Neves. Mikel tem como pontos fortes a sua grande capacidade física e jogo aéreo, contudo demonstra algumas fragilidades na construção de jogo com uma qualidade de passe que não é acima da média. Neste sentido, é um jogador mais voltado para destruir o jogo adversário, podendo ser útil quando a equipa precisar de segurar o jogo e ganhar o controlo do meio-campo. Tendo em conta o atual modelo do treinador Sérgio Conceição não vejo o jovem nigeriano como a segunda opção a Danilo, tendo André André e até Herrera, que até não costuma jogar tão recuado, à sua frente. Sérgio pede aos seus médios para vir buscar jogo a zonas mais recuadas e construir desde aí, algo que até já fez denotar em Danilo Pereira algumas dificuldades. Perante isto, não vejo vida facilitada para o jogador, que tem a seu favor o facto de ser formado no clube para a inscrição nas competições europeias.


Sérgio Oliveira

Resultado de imagem para sérgio oliveira fc porto
Idade: 25 anos
Anterior clube: Nantes
Nº de jogos: 6
Atualmente com 25 anos e entre saídas e empréstimos, é talvez a última oportunidade de Sérgio Oliveira se afirmar como jogador do FC Porto. Prometia muito, e cedo lhe foi colocada um cláusula de 30 milhões de euros, mas de azul e branco nunca mostrou nada de grande relevo, ao contrário do que fez no Paços de Ferreira e na seleção sub-21, onde era um dos indiscutíveis de Rui Jorge. Não esperava muito de Sérgio Oliveira esta pré-temporada, mas o que é certo é que gostei do pouco que foi possível ver dele. Às já reconhecidas valências do jogador - a qualidade de passe e remates de longe - juntou-lhe velocidade e maior intensidade no seu jogo contudo, a sua pouca utilização nesta pré-época, poderá querer dizer alguma coisa, ainda para mais num setor para onde existem muitos atletas. Terá Sérgio Oliveira espaço no plantel?



Hernâni

Resultado de imagem para hernâni fc porto
Idade: 25 anos
Anterior clube: V. Guimarães
Nº de jogos: 35
Não sei se serei o único, mas ainda não estou convencido com Hernâni. O extremo português tem algumas características que nos podem ser úteis, mas o que é certo é que só no jogo com o Portimonense é que deu melhor mostra de si. É rápido e bom tecnicamente, mas decide demasiadas vezes mal e tem demonstrado grandes dificuldades em integrar o jogo da equipa, passando demasiadas vezes ao lado do jogo. Se tivermos um Hernâni mais parecido com aquele que vimos contra a equipa algarvia, acredito que possa trazer algumas mais-valias à equipa, essencialmente em jogos que estejam mais partidos,  onde se explore o espaço e se imprimam contra-ataques. Contudo, fruto das suas características (precisando de espaço para executar) e da dificuldade em muitas vezes aparecer na partida, não o vejo como o jogador capaz de desbloquear um jogo fechado como certamente nos depararemos muitas vezes. Embora não esteja convencido enquanto a Hernâni, estou convicto de que fará parte do plantel da próxima época.


Marega


Resultado de imagem para marega fc porto
Idade: 26 anos
Anterior clube: V. Guimarães
Nº de jogos: 31
Primeiro que tudo devo dizer que não sou fã de Marega, não mesmo. De todos os regressados esta época ao FC Porto é o que menos acrescentará à equipa, na minha opinião. Como tal, não ficarei muito feliz se for com ele que os azuis e brancos esperam dar cobertura à dupla Soares e Aboubakar. O facto de ter sido dos melhores marcadores do campeonato passado não me faz mudar de opinião, acima de tudo porque não consigo gostar de vê-lo jogar. Reconheço-lhe o esforço, mas a isso só lhe acrescento o grande poderio físico que lhe possibilitou fazer vários golos na época passada. Não o vejo para um clube acima do nível de um Vitória de Guimarães. Marega chegou tarde e isso não joga a seu favor, e nem esperava vê-lo a jogar tanto esta pré-época tendo em conta as palavras de Sérgio Conceição a seu respeito (quem não sabe do que falo pode ver clicando aqui). Outro ponto a seu desfavor é o facto de até agora ter sempre jogado só na frente. Gostaria de o ver acompanhado de Soares ou Aboubakar para perceber o que pode acrescentar de diferente ao jogo portista. A ver vamos.


Aboubakar


Imagem relacionada
Idade: 25 anos
Anterior clube: Besiktas
Nº de jogos: 38
Como o melhor fica para o fim, falemos de Aboubakar. Sim, o melhor. A par de Ricardo vejo Aboubakar como o grande reforço do FC Porto na próxima temporada. Se muitos concordam que o ataque não está fragilizado após a saída de André Silva, é a ele que se deve. Atualmente, Aboubakar é melhor que o jovem vendido ao AC Milan e, para além de golos, acrescenta uma disponibilidade única que, juntamente com Soares, farão uma dupla de peso que, aliás, já vem mostrando isso mesmo. Ainda que por vezes meio trapalhão, sabe ter bola, aguentar e cansar a defesa, juntando-lhe golos. No esquema de Sérgio Conceição assenta como uma luva, até porque com a pressão alta que começa logo sobre defesa contrária que o treinador portista pretende, que mais se poderia querer do que um avançado extremamente combativo como Aboubkar? Na época em que começou a titular com Lopetegui, saiu muito prejudicado, essencialmente porque andava sempre muito longe da baliza adversária. As suas declarações não caíram bem a ninguém durante o seu empréstimo aos turcos do Besiktas, mas o que é certo é que não foi bem tratado no FC Porto, não esquecer que foi chutado para canto para dar lugar a Depoitre. Dói só de pensar, não é verdade? Certo é que, face às dificuldades financeiras atuais, dificilmente arranjaríamos uma opção tão válida quanto o camaronês. Falta só renovarem-lhe contrato, que não acredito que não acontecerá.

Passada em revista os 10 reforços que integram o próximo plantel, lanço novamente uma questão: Qual ou quais os atletas que poderão ter um papel de maior preponderância na nova época?

sábado, 29 de julho de 2017

Os Reforços do FC Porto - Parte 1

Depois de no último post a Muralha Azul ter traçado aquelas que são as principais ideias do FC Porto de Sérgio Conceição, segue-se o segundo de três artigos de análise, desta vez aos reforços do plantel azul e branco.

Entre regressos e contratações, são 10 os atletas que integram atualmente o plantel portista com prespetivas de fazerem parte do grupo que lutará pela reconquista do título de campeão nacional. 

Numa altura em que o FC Porto atravessa um momento de maior instabilidade financeira, viu-se obrigado a contornar este obstáculo com recurso aos jogadores emprestados, aposta como há muito não se via para os lados do Dragão.

Curiosamente, a época transata terá sido, porventura, das mais proveitosas em termos de potenciação dos ativos portistas com boa parte deles a fazerem parte do 11 inicial das suas equipas e, na maioria, a ser do interesse das mesmas a sua contratação em definitivo, de tal forma que já tivemos de engolir as declarações de alguns que muita celeuma nos causaram.

Vaná   

Idade: 26 anos
Anterior clube: Feirense
Nº de jogos: 29
Até ao momento é a única contratação do FC Porto. A sua chegada surpreendeu não só por não se prespetivar, mas também por reforçar um setor que não carecia de alternativas. Antes de vestir de azul e branco, Vaná foi apontado aos dois rivais de Lisboa, o que a somar às boas exibições no seu anterior clube, ajuda a atestar a sua qualidade. Vejo na sua contratação uma questão de aproveitamento da oportunidade, mais no sentido de salvaguardar a próxima época com a possível saída de Iker. Vaná era, sem dúvida, um dos grandes valores das balizas do campeonato português, porém, a sua utilização esta época será certamente muito residual.


Ricardo Pereira

Resultado de imagem para ricardo pereira fc porto
Idade: 23 anos
Anterior clube: Nice
Nº de jogos: 30
Que categoria. É impossível não ficar deliciado com aquilo que tem demonstrado até ao momento Ricardo Pereira. Rápido, consistente, muito forte a atacar e sólido a defender e, muito importante, versátil. O jovem português pode jogar não só à direita da defesa, no ataque, mas também dá uma perninha no lado esquerdo defensivo, ainda que não parece vir a ser necessária essa opção. Se há jogador a quem o empréstimo fez bem, esse é Ricardo Pereira. Chegou como extremo, mas foi Lopetegui que viu nele as características necessárias para jogar em terrenos mais recuados, posição reforçada após os 2 anos no Nice como titular indiscutível que fizeram dele um senhor lateral. E pensar que custou ao Vitória de Guimarães 1.6 milhões de euros. Para já, parece ter relegado Maxi para o banco e tem tudo para ser um dos grandes "reforços" desta época. Um pedido: renovem-lhe o contrato e aumentem a cláusula, é que 25 milhões são trocos. Obrigado!


Diego Reyes


Resultado de imagem para Diego reyes fc porto
Idade: 24 anos
Anterior clube: Espanyol
Nº de jogos: 35
O central mexicano vai para o quinto ano nos quadros do FC Porto. Chegou muito novo à Invicta e era visto no seu país como uma grande promessa, sendo ainda aposta no 11 inicial da sua seleção, tendo custado aos cofres portistas 7 milhões de euros. Chegou a fazer alguns jogos a titular mas nunca convenceu nos tempos em que fez parte do plantel azul e branco. A última época ao serviço do Espanyol, terá sido aquela mais bem conseguida para o ainda jovem central mexicano. No meu ponto de vista, Diego Reyes, juntamente com Indi, constituem ótimas opções para os lugares de Felipe e Marcano e o último ano em Espanha permitiu ao central amadurecer e ganhar a confiança que lhe faltou no passado, ao ponto de ser considerado no país vizinho como um dos melhores centrais do campeonato. Ora, quando se tem nos quadros um jogador de 24 anos, dos melhores numa posição num grande campeonato como é o espanhol só pode ser benéfico para o clube. O pouco que ainda deu para ver esta pré-temporada revelou um jogador bem mais seguro, a cometer poucos erros e muito concentrado. Destaco-lhe o bom jogo de cabeça, porém continuo a ver na sua compleição física uma grande lacuna. É um jogador muito parecido com Marcano, não só fisicamente, como na forma de atuar, ambos com um bom jogo de pés.


Martins Indi


Resultado de imagem para indi fc porto
Idade: 25 anos
Anterior clube: Stoke City
Nº de jogos: 37
O empréstimo de centrais como Indi e Reyes, mostram que o FC Porto tem efetivamente qualidade que pode agora ser aproveita, e demonstra também o erro que foi cometido na época passada com a contratação de Boly. Não só foi caro, como não é melhor que nenhum destes dois e acabou emprestado a uma equipa do segundo escalão inglês. Gosto de Indi, ponto. É forte fisicamente, autoritário e tem aquela agressividade que se exige a um central e, para além disso, passou com distinção o teste que é jogar no campeonato inglês sendo titular da equipa do Stoke City. Não teve vida fácil no FC Porto, essencialmente na época com José Peseiro onde foi ultrapassado por Chidozie nas preferências do treinador. Nesta pré-temporada, teve mais oportunidades que Reyes, até porque chegou mais sedo e sem lesões, e quando jogou cumpriu. Se acho Reyes mais parecido com Marcano, Indi assemelho-o a Felipe, essencialmente pelo seu poderio físico e agressividade. Com o Portimonense foi possível vê-lo ao lado de Reyes e o melhor elogio que se pode fazer à dupla é que não se notou a diferença. Se ambos ficarem no plantel terá de ser feita uma gestão muito competente da parte de Sérgio Conceição, ainda para mais com ambos a entrar em final de contrato. Renovação precisa-se, também aqui.


Rafa Soares


Imagem relacionada
Idade: 22 anos
Anterior clube: Rio Ave
Nº de jogos: 38
Foi prometida a sua presença no plantel portista pelo presidente já na época transata, não se verificou e o defesa esquerdo da cantera portista acabou emprestado ao Rio Ave. Também ele aproveitou muito bem a oportunidade concedida e o clube que o recebeu foi o ideal para crescer na primeira liga. Nesta pré-temporada tem competido com Layún para ser a segunda opção na lateral esquerda, mas não terá vida fácil. A seu favor joga, essencialmente, o facto de ser jogador da formação, o que facilita a inscrição de jogadores nas competições europeias. Rafa tem qualidade para ser uma alternativa segura a Alex Telles e o empréstimo a temporada passada deu para perceber o seu forte pendor ofensivo, muito importante no atual esquema portista, tendo feito 3 golos e 5 assistências ao serviço do Rio Ave, números positivos para o atleta.


A análise aos reforços para o zona mais recuada, dá mostras de que a defesa é o setor que maior número de opções oferece e todas elas de grande qualidade, que devem ser muito bem aproveitadas pelo clube. Amanhã será publicada a segunda parte deste artigo com a análise aos restantes cinco jogadores. Para já deixo algumas questões: Qual o jogador do setor defensivo que mais se destacou no seu empréstimo? Qual é aquele que mais condições tem para se afirmar no presente/futuro de azul e branco?